EFEITO DA DEFICIÊNCIA DA TESTOSTERONA NAS
SUBPOPULAÇÕES MITOCONDRIAIS EM CARDIOMIÓCITOS DE RATOS

Nome: PATRICIA RIBEIRO DO VAL LIMA
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 01/06/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Dalton Valentim Vassallo Co-orientador
Rogério Faustino Ribeiro Júnior Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Dalton Valentim Vassallo Coorientador
Julio Cesar Batista Ferreira Examinador Externo
Rogério Faustino Ribeiro Júnior Orientador
Suely Gomes de Figueiredo Examinador Interno

Resumo: A deficiência de testosterona (hipogonadismo) é um dos fatores de risco para doença cardiovascular. Quando ocorre, provoca redução na contratilidade miocárdica. Considerando que existe estreita correlação entre o metabolismo oxidativo e a contratilidade miocárdica, o presente estudo visou obter novas informações sobre os efeitos da deficiência de testosterona em duas subpopulações mitocondriais cardíacas espacialmente distintas: mitocôndria subsarcolemal (SSM) e interfibrilar (IFM). Utilizou-se modelo animal de ratos machos Wistar (n=30), de linhagem albina da espécie Rattus norvegicus, para avaliar a função e estrutura dessas subpopulações mitocondriais cardíacas com e sem deficiência de testosterona. A amostra foi dividida de forma randomizada em três grupos: 1) Grupo SHAM (controle); 2) Grupo OQT (orquiectomizados) e 3) Grupo OQT + T (orquiectomizados com reposição de testosterona). Os resultados mostraram quatro achados principais, como segue: a) o rendimento mitocondrial total (Yield), na subpopulação subsarcolemal (SSM) do Grupo orquiectomizado (OQT), mostrou maior quantidade de proteína mitocondrial em relação aos Grupos SHAM e OQT+T, porém não houve diferença na fração interfibrilar (IFM); b) o potencial de membrana, o tamanho e a complexidade interna da subpopulação interfibrilar (IFM) do Grupo OQT foram maiores em relação aos Grupos SHAM e OQT+T, porém não houve diferença na fração subsarcolemal (SSM); c) a taxa de fosforilação oxidativa com os substratos glutamato + malato, piruvato + malato, palmitoil + carnitina e rotenona + succinato na subpopulação interfibrilar (IFM) do Grupo OQT foi menor em comparação com os Grupos SHAM e OQT+T, sendo que a reposição de testosterona (OQT+T) foi capaz de restaurar essas alterações; houve diminuição na fosforilação oxidativa no Grupo SSM, com palmitoil + carnitina como substrato; d) o swelling mitocondrial não mostrou diferença na capacidade de retenção de cálcio em todos os Grupos nas duas frações (IFM e SSM); além disso, a deficiência de testosterona afetou a captação de cálcio mitocondrial (cálcio green 5N), demonstrando que a fração IFM no Grupo OQT apresentou maior capacidade de retenção de cálcio. Em suma, na subpopulação mitocondrial interfibrilar cardíaca ocorreram alterações na fosforilação oxidativa, morfologia e capacidade de retenção de cálcio nos ratos com deficiência de testosterona. A reposição de testosterona foi capaz de restaurar todas as alterações induzidas pela orquiectomia. Portanto, o presente estudo mostrou diferenças específicas nas subpopulações mitocondriais subsarcolemais e interfibrilares cardíacas como resultado da deficiência de testosterona.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900