Efeitos do tratamento com Kefir sobre a periodontite experimental e de ratos

Resumo: A doença periodontal (DP) é uma desordem inflamatória, que afeta cerca de 50% da população mundial adulta. A DP é formada pelo acúmulo de placa bacteriana nas superfícies dentárias, e está relacionada com diversos fatores como: má higiene bucal, pré-disposição genética, alimentação rica em carboidratos, entre outros. O acúmulo de placa na região do sulco gengival, leva a formação de um biofilme no local, dando início a um processo inflamatório, denominado gengivite. Com o agravamento da gengivite, poderá gerar perda de inserção, destruição do cemento, ligamento periodontal e do osso alveolar, se tornando então, a doença denominada periodontite.
Os microrganismos presentes na placa bacteriana produzem endotoxinas e lipopolissacarídeos que induzem a produção de citocinas e proteína C reativas, iniciando assim o processo inflamatório e níveis aumentados de estresse oxidativo.
O estresse oxidativo é um dos mecanismos patofisiológicos envolvidos na periodontite. É representado por uma produção aumentada de espécies altamente reativas de oxigênio (ERO´s) devido ao distúrbio no balanço pro/antioxidante.
Além disso, a destruição do tecido periodontal tem sido correlacionada de forma positiva com o excesso de ERO´s que ocorre na doença periodontal. Probióticos são definidos como microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas exercem um efeito benéfico à saúde do consumidor. Ainda há controvérsias sobre os critérios para a seleção de microrganismos probióticos, mas tendo em consideração os mecanismos de ação, duas condições têm sido amplamente aceitas para a seleção: a capacidade de sobreviver no ambiente gastrointestinal e que possua pelo menos uma função benéfica.
O Kefir atualmente é considerado uma mistura probiótica, uma bebida fermentada pela ação de bactérias e leveduras que estão associadas simbioticamente nos chamados grãos de Kefir. O Kefir preparado pela fermentação dos grãos em solução aquosa de açúcar mascavo é uma forma bastante consumida pela população brasileira, mas suas propriedades funcionais ainda são pouco relatadas na literatura. A maioria dos estudos utiliza o Kefir tradicional, fermentado em leite.
Estudos em nosso e outros laboratórios tem demonstrado que os efeitos benéficos do tratamento com kefir em animais com hipertensão e hipercolesterolemia, com redução dos níveis de estresse oxidativo, melhora do tônus autonômico, sensibilidade do barorreflexo e redução da deposição lipídica vascular.
O tratamento convencional para periodontite inclui abordagens cirúrgicas e não cirúrgicas, as quais enfatizam principalmente no desbridamento mecânico do local afetado, geralmente acompanhado pela administração de antibióticos. Esse tratamento tem como objetivo eliminar a microbiota independente de sua patogenicidade.
Considerando que a periodontite tem repercussões locais e sistêmicas, seria interessante uma abordagem terapêutica que conseguisse minimizar ou tratar os efeitos deletérios da DP sem que houvesse destruição da microbiota endógena do paciente.
Portanto, esse projeto visa avaliar se o tratamento com kefir, será capaz de diminuir os efeitos danosos locais da DP e também sobre diferentes órgãos. Esperamos que nossos resultados forneçam uma terapia alternativa para o tratamento da DP.

Data de início: 2018-05-01
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Rafaela Aires
Colaborador Agata Lages Gava
Colaborador Elisardo Corral Vasquez
Coordenador Silvana dos Santos Meyrelles
Pesquisador Bianca Prandi Campagnaro

Páginas

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105