N-acetilcisteína protege contra potencial mutagênico e citotóxico em um modelo experimental de consumo de álcool em binge agudo e crônico.

Resumo: É reconhecido que o uso de álcool em binge (quantidades elevadas em um curto espaço de tempo) é o mais preocupante e com danos maiores ao organismo do que as demais formas de consumo. Além disso, o etanol é classificada em Grupo 1 (cancerígeno para o homem) pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer. Estudos prévios em nosso laboratório já demonstram que o consumo de álcool em binge produzem alterações sobre parâmetros de estresse oxidativo em ratos adolescentes. Entretanto, uma questão a ser esclarecida é se o consumo de álcool em binge por ratos pode apresentar potencial mutagênico e/ou citotóxico. A N-acetilcisteína (NAC) é uma substância que tem sido utilizada off label como um agente citoprotetor no tratamento da dependência de drogas de abuso que apresentam caráter neurotóxico. Neste estudo, animais adolescentes serão submetidos a um modelo de consumo de álcool em binge agudo e crônico e serão avaliadas as células do sangue periférico e da medula óssea, a fim de mensurar o potencial mutagênico e citotóxico por meio do Teste do Micronúcleo. Ainda, um grupo de animais será submetido a um tratamento prévio com NAC com o objetivo de investigar se essa substância protege as células do sangue periférico e da medula óssea de alterações cromossômicas. Os resultados deste estudo terão o potencial de demonstrar a importância da inserção da NAC como um adjuvante no tratamento desta droga de abuso cujo consumo tem aumentado substancialmente, reduzindo os efeitos danosos desta droga no organismo.

Data de início: 2014-06-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Lívia Carla de Melo Rodrigues
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105