Os Efeitos da exposição ao Cádmio na Reatividade Vascular de ratos.

Resumo: O Cádmio é liberado para o ambiente através da combustão de cigarro, queima de combustíveis fósseis, fundição de metais , eliminação de resíduos e fertilizantes agrícolas, (Lamphere et al, 1984; Merian, 1991; Clarkson, 1988; Shore, 1994) o que tem aumentado enormemente a contaminação dos alimentos por esse metal, sendo a dieta a principal fonte de exposição da população não-fumante e não-exposta devido a ocupação (Clemens, 2006; Frazs et al. 2008; McLaughlin et al. 2006). O Cádmio não apresenta uma função fisiológica conhecida e é possivelmente transportado por mecanismos desenvolvidos para metais essenciais. Estudos mostram que cerca de 4% da dose de Cd2+ administrada oralmente é absorvida, se acumulando no organismo (Schilderman et al, 1997). A exposição crônica ao Cádmio tem sido relacionada a vários efeitos tóxicos como disfunção renal ( Cai ET AL, 2001), hepatotoxicidade (Horiguchi et al, 2000), osteoporose ( Karantzis, 2004) e cânceres de pâncreas, de pulmão e renal (Waisberg et al, 2003). Esse metal também tem sido considerado um possível fator de risco para hipertensão em estudos experimentais (Puri e Tandon, 1976) tendo seu mecanismo ainda desconhecido. Temos por objetivo avaliar reatividade da aorta de ratos expostos ao CdCl2 e seus mecanismos de ação.

Data de início: 2010-03-08
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Doutorado Jhuli Keli Angeli
Aluno Doutorado Thais de Oliveira Faria Baldo
Aluno Mestrado Maylla Ronacher Simões
Colaborador Ivanita Stefanon
Coordenador Alessandra Simao Padilha

Páginas

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105