Estimulação transcraniana por corrente contínua de baixa intensidade associada ao PROMPT na apraxia da fala em jovens com Trissomia 21

Resumo: A reduzida inteligibilidade da fala na T21 (Síndrome de Down) é amplamente reconhecida, limitando inevitavelmente a capacidade de comunicação verbal, porém ainda muito pouco explorada quanto a natureza destas dificuldades da fala. Em estudo recente, verificou-se que quase a totalidade (97,8%) de uma amostra de jovens T21 apresentaram critérios para transtornos motores da fala (37,8% com disartria, 22,2% com disartria e apraxia da fala, 11,1% com apraxia da fala), sendo, portanto, 33,3% da amostra com apraxia da fala associada ou não à disartria. A apraxia da fala (ou apraxia da fala na infância – AFI), por sua vez, é a condição que mais reduz a inteligibilidade da fala (80%), por ser consequente a um comprometimento central no planejamento e/ou programação dos parâmetros espaço-temporais das sequências de movimento resultando em erros na produção de sons da fala e na prosódia (American Speech-Language-Hearing Association - ASHA, 2007), ou seja, um transtorno neurológico em sua origem. A AFI é, portanto, uma condição bastante frequente na T21, ainda que nem sempre identificada ou diagnosticada, apresentando-se em diferentes graus de comprometimento. Esta condição, que também é encontrada em outros transtornos do desenvolvimento, conta com diferentes abordagens da fonoaudiologia obtendo avanços, porém após um período bastante longo e exaustivo de tratamento. Considerando-se que a estimulação cerebral não-invasiva, como a estimulação transcraniana por corrente contínua de baixa intensidade (tDCS do inglês transcranial Direct Current Stimulation) produz mudanças na plasticidade neuronal de modo a favorecer a funcionalidade dos circuitos cerebrais, a ativação, mesmo que transitória em seus efeitos imediatos, mas prolongados em decorrência da neuroplasticidade induzida, poderia facilitar o recrutamento dos circuitos envolvidos no planejamento e processamento da fala de modo a favorecer a terapêutica das AFIs. Portanto, este estudo tem por objetivo investigar se a tDCS facilitaria os ganhos da abordagem fonoaudiológica na apraxia da fala em jovens com Trissomia 21. Para tanto, em uma sessão da tDCS (2 mA, 35 cm2, anodo sobre a área de Broca – BA44/45 - e catodo sobre a região supraorbital direita), de 5 sessões consecutivas (uma sessão por dia), serão administradas duas aplicações de 13 minutos com intervalo de 20 minutos (esquema 13:20:13), sendo que neste intervalo entre as duas aplicações da tDCS será introduzida a abordagem fonoaudiológica que emprega a técnica táctil-cinestésica para o tratamento da AFI, o PROMPT (do inglês Prompts for Restructuring Oral Muscular Phonetic Targets) em jovens T21 (18 a 30 anos de idade, de ambos os sexos) com AFI sem complicações de saúde, após devidamente esclarecido e assinado termo de consentimento e realizados exames clínico, cognitivo e fonoaudiológico. O tempo para início de vozeamento (VOT de voice onset time) será o desfecho primário enquanto que outros parâmetros da execução da fala (curva de entoação, marcador de pausa, avaliação na comunicação global) e registros de atividade cerebral e ressonância funcional constituirão os parâmetros secundários do estudo, sendo que estas avaliações serão realizadas no início (linha de base), 24 horas e 30 dias após o encerramento do tratamento da tDCS associada ao PROMPT.

Data de início: 2020-02-20
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Christiane Furlan Ronchete
Colaborador Giselle Alves de Oliveira
Colaborador Lívia Carla de Melo Rodrigues
Coordenador Ester Miyuki Nakamura-Palacios
Técnicos Tamiris Silva Akbart
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105