Efeitos da sobrecarga crônica de ferro sobre a estrutura/função vascular de camundongos ateroscleróticos

Nome: Vinícius Bermond Marques
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 24/10/2019

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Elisardo Corral Vasquez Examinador Interno
Helder Mauad Examinador Externo
Jose Geraldo Mill Examinador Interno
LEONARDO DOS SANTOS Orientador
Luciana Venturini Rossoni Examinador Externo

Resumo: O ferro é um metal essencial para homeostase celular, porém quando em sobrecarga tem sido associado a danos em diversos órgãos, inclusive no sistema cardiovascular. Foi recentemente demonstrado que a sobrecarga de ferro induz disfunção endotelial e estresse oxidativo, o que poderia aumentar o risco de aterosclerose. No entanto, a nocividade relacionada ao ferro em uma condição de predisposição genética para a aterosclerose ainda não está clara. Neste estudo, testamos a hipótese de que a sobrecarga crônica de ferro intensifica o processo aterosclerótico associado a disfunção endotelial em camundongos nocautes para apolipoproteína E (apoE(-/-)). Foram analisados soro e aortas de camundongos selvagens C57BL/6 (C57) e apoE(-/-) injetados com soro fisiológico ou ferro-dextrano i.p. (Fe, 10 mg/camundongo/dia) 5 vezes por semana durante 4 semanas. A sobrecarga de ferro aumentou os níveis séricos de ferro e de biomarcadores de lesão hepática e estresse oxidativo, assim como a deposição de ferro na aorta em ambas as linhagens, mas apenas nos camundongos apoE(-/-) Fe tinham intensificados a hipercolesterolemia (1,7 vezes), o tamanho da placa aterosclerótica (19% da luz da aorta) e o infiltrado celular nestas lesões. Por microscopia eletrônica de varredura, o pequeno dano endotelial estrutural causado pela sobrecarga de ferro no C57 Fe foi piorado no grupo apoE(-/-) Fe. Entretanto, a disfunção endotelial foi encontrada apenas no grupo apoE(-/-) Fe, com relaxamento diminuído à acetilcolina e hiper-reatividade à fenilefrina associada à redução da modulação pelo óxido nítrico. Além disso, o tiron e a indometacina atenuaram a reatividade à fenilefrina em maior magnitude nas aortas do grupo apoE(-/-) Fe. Confirmando, houve redução na atividade de enzimas antioxidante (superóxido dismutase e catalase) e aumento da expressão de ciclooxigenase-2 em aorta, e níveis elevados de metabólitos do tromboxano A2 e da prostaciclina na urina do grupo apoE(-/-) Fe. Nossos resultados demonstram que a sobrecarga crônica de ferro intensifica o processo aterosclerótico e induz disfunção endotelial em camundongos ateroscleróticos, provavelmente devido ao estresse oxidativo e o desequilíbrio entre os fatores relaxantes e contráteis sintetizados pelo endotélio danificado.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105