AVALIAÇÃO DA ANSIEDADE EM RATOS JOVENS TRATADOS COM OXANDROLONA EM DOSE SEMELHANTE À TERAPÊUTICA E DOSE DE ABUSO.

Nome: Nara Rubia Dalla Bernardina
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/06/2019
Orientador:

Nomeordem crescente Papel
Nazare Souza Bissoli Orientador

Banca:

Nomeordem crescente Papel
Sonia Alves Gouvea Examinador Interno
Nazare Souza Bissoli Orientador
Lívia Carla de Melo Rodrigues Coorientador
Girlandia Alexandre Brasil Amorim Examinador Externo

Resumo: A oxandrolona (OXA) é um esteroide anabólico androgênico (EAA) utilizado na prática clínica para tratamento de distúrbios de crescimento em crianças (ou durante a infância) e vem sendo consumido de forma abusiva. Mediante o pouco conhecimento que se tem dos efeitos comportamentais da OXA em especial em jovens e em uso abusivo, nossa hipótese é que seu uso em dose de abuso pode alterar o comportamento ansioso em ratos jovens, mas que não apresente alteração em dose semelhante à terapêutica, envolvendo mecanismos antioxidantes, inflamação e alterações nas vias dopaminérgicas. Para isso ratos Wistar machos com idade de 30 dias foram tratados com oxandrolona (DT; 2,5mg/kg/dia e DA: 37,5mg/kg/dia) ou veículo (CON; carboximetilcelulose 0.5% 0,1ml/dia) via gavagem por 4 semanas. Após o período de tratamento os animais foram submetidos a testes comportamentais no Labirinto em Cruz Elevado e Campo Aberto, além de testes bioquímicos. Ambos os grupos apresentaram comportamento ansioso surpreendentemente havendo mais alterações na dose semelhante à terapêutica do que na dose de abuso. As alterações relacionadas ao sistema antioxidante foram observadas apenas no hipocampo e diferiram com as dose de tratamento sendo alterada apenas no grupo DT. A expressão do receptor de dopamina apresentou tendência em aumentar na dose abusiva. O presente estudo demonstrou que a oxandrolona promove comportamento semelhante ao ansioso em ratos, tanto na dose semelhante a terapêutica quanto na dose de abuso, envolvendo alteração na via antioxidante e com tendência de aumento do receptor de dopamina no hipocampo.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105