ENVOLVIMENTO DO RECEPTOR ERα E DA PEROXIDAÇÃO LIPÍDICA NOS PREJUÍZOS DE MEMÓRIA DE RECONHECIMENTO CAUSADOS PELO POLUENTE AMBIENTAL TRIBUTILESTANHO (TBT) EM CAMUNDONGOS FÊMEAS

Nome: Igor Ferraz da Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 10/04/2019
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Lívia Carla de Melo Rodrigues Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Lívia Carla de Melo Rodrigues Orientador
Patrícia Fernanda Schuck Examinador Externo
Roger Lyrio dos Santos Examinador Interno

Resumo: O tributilestanho (TBT) é um composto organoestânico utilizado em diversas áreas da agricultura e da indústria. Estudos recentes vêm demonstrando que o TBT possui efeitos sobre diversos órgãos e tecidos em roedores e outros animais, impactando principalmente o sistema endócrino ao agir como um inibidor da enzima aromatase, e diminuindo os níveis sistêmicos de estradiol. Para os experimentos, camundongos fêmeas receberam TBT em doses diárias de 250 ng/ kg, 500 ng/kg e 750 ng/kg, ou sua solução veículo. Os animais foram submetidos ao teste de reconhecimento de objetos para uma avaliação da memória de reconhecimento, tiveram seus ciclos reprodutivos analisados e foram avaliados quanto à peroxidação lipídica e expressão de ERα no córtex pré-frontal e no hipocampo. Foi observado que o TBT, nas doses de 500 ng/kg e 750 ng/kg, altera a expressão do receptor ERα, com uma expressão reduzida no hipocampo dos animais que receberam a dose de 750 ng/kg, e no córtex pré-frontal dos animais que receberam a dose de 500 ng/kg, quando comparada ao controle. O TBT foi capaz de induzir peroxidação lipídica em todas as doses no córtex pré-frontal, quando comparado ao controle. A memória de reconhecimento de curto e longo prazo foi afetada negativamente nos animais que receberam as doses de 250ng/kg, 500 ng/kg e 750 ng/kg, quando comparada ao controle. Os ciclos reprodutivos sofreram alterações nos grupos expostos ao TBT, em relação ao controle. Nossos dados sugerem que o TBT apresenta a capacidade de afetar a cognição de camundongos fêmea, além de alterar a expressão do receptor de estrogênio ERα em diferentes áreas cerebrais e promover estresse oxidativo no córtex pré-frontal.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105