AVALIAÇÃO DA DEPOSIÇÃO DE PLACA ATEROSCLERÓTICA E DISFUNÇÃO VASCULAR EM AORTA DE CAMUNDONGOS APOE-/- APÓS EXPOSIÇÃO CRÔNICA AO CÁDMIO

Nome: THIAGO FERNANDES DE OLIVEIRA
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 12/04/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Alessandra Simao Padilha Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alessandra Simao Padilha Orientador
Camila Almenara Cruz Pereira Examinador Externo
Camille de Moura Balarini Examinador Externo
Jones Bernardes Graceli Examinador Interno
Priscila Rossi de Batista Coorientador

Resumo: Introdução: A exposição ao cádmio está relacionada com doenças cardiovasculares, incluindo hipertensão e aterosclerose, provavelmente vinculadas ao aumento do estresse oxidativo induzido por esse metal. Objetivo: o presente estudo investigou se a exposição ao cádmio poderia acelerar a formação de placa de aterosclerose e concomitantemente promover disfunção endotelial em aorta, além de aumentar o estresse oxidativo em camundongos knockout para a lipoproteína E (ApoE-/-). Métodos: os experimentos foram realizados com camundongos ApoE-/- e com C57BL/6 machos com 14 semana de idade, que receberam cloreto de cádmio (CdCl2 100 mg / L em água potável durante 28 dias) ou veículo (água destilada). Após a exposição ao metal foi realizada a dosagem do colesterol, análise da reatividade vascular à fenilefrina, à acetilcolina e ao nitroprussiato de sódio em aorta isolada. As células da medula óssea foram isoladas para avaliar a produção de óxido nítrico e espécies reativas de oxigênio e nitrogênio e no arco aórtico foi mensurada a placa aterosclerótica. Resultado: Camundongos ApoE-/- expostos ao cádmio apresentaram níveis mais elevados de colesterol do que os não expostos. A exposição ao cádmio diminuiu a resposta vasodilatadora à acetilcolina do anel aórtico em camundongos ApoE-/-, embora não tenham sido observadas alterações nas respostas à fenilefrina ou ao nitroprussiato de sódio. O L-NAME reduziu a resposta vasodilatadora à acetilcolina, mas este efeito foi menor em camundongos ApoE-/- tratados com cádmio, sugerindo uma redução na biodisponibilidade do óxido nítrico neste grupo experimental. Além disso, nas células hematopoiéticas, o cádmio diminuiu os níveis citoplasmáticos de óxido nítrico e aumentou ânion superóxido, peróxido de hidrogênio e peroxinitrito em camundongos ApoE-/- expostos ao cádmio. A análise morfológica mostrou que a exposição ao cádmio aumentou a deposição de placa na aorta em aproximadamente 3 vezes comparados aos animais ApoE-/- não expostos ao metal. Conclusão: nossos resultados sugerem que a exposição ao cádmio induz disfunção endotelial em camundongos ApoE-/-. Além disso, o cádmio aumentou os níveis de colesterol total, o que pode justificar o desenvolvimento de aterosclerose na aorta de camundongos ApoE-/-. Nossos achados sustentam a hipótese de que a exposição ao cádmio pode aumentar o risco de aterosclerose.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105