AÇÃO DO TRATAMENTO COM KEFIR NA REATIVIDADE VASCULAR DE RATAS OVARIECTOMIZADAS

Nome: Mariana dos Reis Couto
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 26/06/2020
Orientador:

Nome Papelordem decrescente
Nazare Souza Bissoli Orientador

Banca:

Nome Papelordem decrescente
VINICIA CAMPANA BIANCARDI Examinador Externo
Roger Lyrio dos Santos Examinador Interno
Nazare Souza Bissoli Orientador

Resumo: Estudos apontam que o estrogênio contribui para o bom funcionamento do sistema cardiovascular, uma vez que pode modular a geração de fatores de relaxamento e contração derivados do endotélio. Contudo, em mulheres na fase pós-menopausa, o uso de terapia de reposição hormonal vem apresentando riscos que potencialmente superam os benefícios. Visando a necessidade da busca de novas terapias, este trabalho investiga o tratamento não farmacológico com a bebida probiótica Kefir. Foram utilizadas ratas wistar de 8 semanas de idade, isoladas as artérias mesentéricas de terceira ordem para o protocolo de reatividade vascular. Foram realizadas curvas concentração-resposta à ACh após pré-contração com fenilefrina. A avaliação foi realizada na ausência e na presença de inibidores - Indometacina (INDO) – Inibidor não seletivo da ciclooxigenase (COX); NS 398 – Inibidor seletivo da COX-2; Apocinina – Inibidor da NADPH oxidase; Catalase – enzima que degrada o H2O2 em H2O e O2; Tiron – “sequestrador” do ânion superóxido. Adicionalmente, as artérias mesentéricas de resistência foram dissecadas e a expressão proteica da enzima conversora de angiotensina (ECA), da catalase, da superóxido dismutase (SOD), NOX-2 e do fator de necrose tumoral alfa (TNF-α) teciduais foi analisada. A geração de espécies reativas de oxigênio foi realizada via fluorescência usando dihidroetidio (DHE).
A indometacina reduziu a resposta de relaxamento à ACh no grupo OVX na curva concentração-resposta, enquanto no grupo Kefir, não alterou o relaxamento. O que também pode ser observado na presença NS 398. A Apocinina e o Tiron não alteraram a resposta de relaxamento à ACh no grupo OVX e nem no grupo OVX-K. Por outro lado, em presença de catalase, a resposta à ACh foi reduzida em ambos os grupos, porém houve uma redução mais acentuada no grupo OVX. O grupo Kefir apresentou aumento da expressão proteica da ECA e da catalase, em relação ao grupo OVX. Em relação a quantificação da produção de ânion superóxido, o grupo OVX-K apresentou menor produção quando comparado ao grupo OVX, embora a expressão proteica da NOX-2 não ter apresentado diferença entre os grupos.
Concluímos que o Kefir em ratas ovariectomizadas reduz a participação de via oxidativa (H2O2), aumenta a via antioxidante (catalase) e reduz uma via inflamatória (COX-2) na resposta a ACh em vasos de resistência de ratas OVX quando comparadas ao grupo não tratado, o que pode demonstrar ser um produto benéfico no tratamento preventivo da disfunção vascular que ocorre no período da pós-menopausa.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Bonfim, Vitória - ES | CEP 29047-105