O OBESOGÊNICO CLORETO DE TRIBUTILESTANHO PROVOCA ANORMALIDADES NA FUNÇÃO DO EIXO HIPOTALÂMICO-HIPOFISÁRIO-GONADAL PELA DESREGULAÇÃO NA SINALIZAÇÃO DE KISSPEPTIN/LEPTINA EM RATAS WISTAR

Nome: Gabriela Cavati Sena
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 14/03/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jones Bernardes Graceli Orientador
Margareth Ribeiro Moyses Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Henrique de Azevedo Futuro Neto Examinador Externo
Jones Bernardes Graceli Orientador
Leandro Ceotto Freitas Lima Examinador Externo
LEONARDO DOS SANTOS Examinador Interno
Margareth Ribeiro Moyses Orientador
Nazare Souza Bissoli Examinador Interno

Resumo: Cloreto de Tributilestanho (TBT) é um xenobiótico usado como biocida em tintas anti-incrustantes que induz efeitos perturbadores no sistema endócrino, tais como obesidade e anomalias reprodutivas. Investigamos se os distúrbios metabólicos estão correlacionados com a função anormal do eixo (HHG) e com a ação da kisspeptina. Um controle metabólico integrado do eixo HHG foi exercido pela leptina. No entanto, os estudos que investigam os efeitos obesogênicos do TBT no eixo HHG são especialmente raros. Ratas Wistar foram tratadas com veículo e TBT (100 ng/ kg/dia) durante 15 dias via gavagem. Analisamos seus efeitos sobre a acumulação de estanho no soro e no ovário (biomarcador da exposição ao TBT), ciclicidade estral, níveis de LH, expressão de GnRH, ação de kisspeptina, fertilidade, níveis de testosterona, apoptose ovariana, inflamação uterina, fibrose, ganho de peso, insulina, leptina, níveis de adiponectina, testes de tolerância à glicose (TTG) e de sensibilidade à insulina (TSI). O TBT levou ao aumento dos níveis de estanho sérico e ovariano, ciclicidade estral irregular, diminuição dos níveis de LH, redução da expressão de GnRH e responsividade à kisspeptina. Observou-se forte correlação negativa entre os níveis de estanho e a menor resposta à kisspeptina e expressão de mRNA do GnRH em ratas TBT. Aumento nos níveis de testosterona, fibrose ovariana e uterina, apoptose ovariana, inflamação uterina, diminuição da fertilidade e do feedback negativo de estrogênio foram demonstrados em ratas TBT. Também foram identificados: aumento do ganho de peso corporal, TTG e TSI anormais, associados à hiperinsulinemia, hiperleptinemia e hipoadiponectinemia. TBT interrompeu o bom funcionamento do eixo HHG em resultado da ação anormal da kisspeptina. As disfunções metabólicas co-ocorrem com as anormalidades do eixo HHG. A hiperleptinemia como resultado da obesidade induzida por TBT pode estar associada à função anormal de HHG. Observou-se forte correlação negativa entre a hiperleptinemia e a menor responsividade à kisspeptina em TBT. Estes achados fornecem evidências de que o TBT causa efeitos tóxicos diretos no eixo HHG e /ou indiretamente por regulação metabólica anormal do eixo.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900